Arquivo da tag: Coca-cola

Dolly tenta “imitar” Fábrica da Felicidade da Coca-Cola?

Comercial Dolly Novo -2012 Não me lembro bem mas deve ser o terceiro ou quarto post neste blog cujo assunto é o Guaraná Dolly e suas estratégias de comunicação, com seu “maldito” mascote Dollynho  mais uma vez esse “petzinho” (mini garrafa PET) chamou minha atenção em mais uma das versões dos filmes publicitários veiculados nos meios de comunicação essa semana.

Na nova versão que mais parece uma compilação de diversos outros comerciais, o personagem principal Dollynho sobe numa espécie de moto voadora do futuro, onde primeiramente vai para o Amazonas pegar a matéria prima até chegar na fábrica, aliás essa parte que ficou muito semelhante ao clássico filme da Coca Cola, na campanha “Fábrica da Felicidade” de 2008 a empresa cria um pequeno filme contando uma fábula de como é o funcionamento de uma máquina de Coca-Cola.

 

Bom coincidências ou não o fato é que pelo menos a  ideia ficou bem parecida, pois na produção há enormes diferenças!

Fábrica da Felicidade - Coca Cola 2008

Assista também os vídeos das duas campanhas!


Guaraná Jesus conquista a maior premiação mundial de design

 

Está fiquei sabendo a pouco tempo. Afinal Jesus sempre Vence!!!

Uma anedota maranhense afirma que, no Estado, o primeiro significado da palavra Jesus é um refrigerante. A brincadeira reflete um fenômeno que começou local, tornou-se famoso no Brasil e agora se apresenta ao mundo: o guaraná Jesus, segundo refrigerante mais consumido no Maranhão (atrás apenas da líder global Coca-Cola). A folclórica bebida cor-de-rosa ganhou a medalha de ouro de melhor estratégia de marketing no Prêmio Internacional de Excelência em Design, o Idea, a maior premiação mundial de design. A campanha vencedora ocorreu no fim de 2008 para renovar o visual da lata. A tarefa não era simples, já que a bebida angariou, ao longo de décadas, fãs entusiasmados.

O guaraná Jesus, criado em 1920, enraizou-se no gosto maranhense. Com pouquíssima propaganda, tornou-se quase um símbolo cultural do Estado. Ele deu origem a um subsegmento, o guaraná rosado, comum também no Piauí e Pará. Nos últimos anos, seu nome engraçado e sua cor fascinante ganharam simpatia Brasil afora. Há centenas de comunidades bem-humoradas a seu respeito no Facebook e no Orkut. Vídeos no YouTube brincam com o refrigerante em São Paulo, no Rio de Janeiro, em Curitiba e outras cidades espalhadas pelo país – o tipo de tratamento espontâneo e alegre que empresas gastam milhões para conseguir. Há muito mais gente que fala sobre a bebida do que gente que já experimentou mesmo seu sabor muito doce, com traços de cravo e canela (a fórmula exata tem uma aura de mistério), mas os apreciadores reais não só existem, como se organizam para “importar” as latinhas do Maranhão. Por isso, renovar a lata sem incomodar os fãs seria um trabalho delicado. “Em marcas que são ícones, como o Jesus é no Maranhão, o desafio é manter a ligação emocional com os consumidores”, diz Leonardo Lanzetta, diretor executivo da agência de publicidade Dia, que montou a estratégia de marketing premiada. Em outras palavras: uma mudança desastrada faria com que o bebedor de Jesus não reconhecesse mais o produto que lembra sua infância, adolescência e tempos felizes.

Os publicitários fizeram uma campanha estadual com três propostas de novos desenhos para a lata e pediram votos dos fãs. Usaram a internet e mensagens por celular. Três pessoas fantasiadas de latinha – uma de cada opção – passearam por São Luís, brincaram com os passantes, visitaram colégios e entraram em casamentos, sempre recebidas com festa. O modelo vencedor lembra outro símbolo do Estado, os azulejos coloniais portugueses de São Luís. A Coca-Cola, que havia comprado a marca em 2001, esperou para fazer mudanças sem quebrar a ligação nostálgica dos bebedores com Jesus. “Foi um grande mérito da campanha. Os consumidores sentiram que a marca pertence a eles, e não à Coca-Cola”, afirma Júlio Moreira, professor da Escola Superior de Propaganda e Marketing e especialista em marcas. Desde a campanha, as vendas do refrigerante cresceram 17%, segundo a consultoria Nielsen.

O resultado certamente teria agradado ao criador da bebida, o farmacêutico Jesus Norberto Gomes – que era ateu, foi excomungado e morreu em 1963. O guaraná resultou de uma tentativa frustrada de fabricar um remédio. Deu errado, mas os netos do farmacêutico adoraram o xarope. Nascia um produto vitorioso.

Fica a pergunta se a marca não pertencesse a “The Coca-Cola Company ela ganharia????

Época